VIAGEM – Juliana em Pedra Azul – ES

Na minha semana de formatura, após missa e colação de grau eu e minha família fomos comemorar em uma viagem. Como já era minha segunda graduação e na primeira eu participei de festa e tudo, dessa vez eu não quis participar de baile e optei por ir com a família toda a um destino que eu estava louca pra conhecer, Pedra Azul-ES, mais especificamente a Rota do Lagarto.

Como boa mineira já conheço praticamente todo o litoral do Espírito Santo, mas a região das montanhas eu ainda não conhecia. Só sabia que por lá tem várias cidades que são colonias europeias (nem os países eu sabia) e que em algumas faz muito frio. Ultimamente vi várias pessoas indo a Pedra Azul e fiquei muito curiosa em conhecer, afinal eu AMO o inverno e tudo que está ligado a essa estação.

A região das Montanhas Capixabas também é conhecida por Região Serrana e depois de pesquisar em descobri que foi colonizada por italianos, alemães e portugueses, que escolheram essa parte do Espírito Santo por ter um clima ameno parecido com o dos seus países de origem.

Pedra Azul não é uma cidade, é um pequeno distrito; e, apesar de ficar pertinho do município de Venda Nova do Imigrante, pertence ao município de Domingos Martins. Optamos por nos hospedar em Venda Nova do Imigrante, mais abaixo vou contar melhor, e nesse mapa tem a distância e o trajeto que fizemos de Governador Valadares até lá.

Fiz questão de colocar aqui esses mapinhas pra conseguir explicar melhor a localização, já que eu quando pesquiso sobre algum lugar gosto do máximo de informações possíveis – quero deixar esse post o mais completo possível. Venda Nova do Imigrante fica a 67 km de Domingos Martins, porém bem pertinho da entrada da Rota do Lagarto. A rota é um tópico à parte ai no mapa eu apontei pra ela com a setinha. Agora que já te contei sobre a parte geográfica preciso falar a pedra Azul – neste caso agora a pedra mesmo.

 

  • Pedra Azul

O município de Domingos Martins,  abriga a Reserva Florestal de Pedra Azul que em 1991 foi transformada em Parque Estadual de Pedra Azul, com altitude média de 1.350mts, possuí uma área de 1.240 hectares e abriga a Pedra Azul. O parque fica localizado no distrito de Pedra Azul do Aracê, região que apresenta um clima que é considerado como terceiro melhor do mundoA Pedra Azul, tem esse nome devido ao fato, de que dependendo da incidência de luz solar, a pedra, pode mudar de cor, ficando por não raras vezes de cor azul ou verde e até mesmo amarela. Entretanto, a maior parte do tempo branca acinzentada. Estima-se de que a Pedra Azul mude de cor 36 vezes por dia. É no km 89/90 da BR 262 que pode ser visto o maciço da Pedra Azul com seu pico de 1.822m de altitude. Também é conhecida como a Pedra do Lagarto pelo formato de uma saliência em forma de um animal que parece subir pela sua encosta.

  • Rota do Lagarto

Observou na foto da pedra essa saliência que lembra um lagarto subindo na pedra? Então, o nome é por causa disso. A chamada Rota do Lagarto tem início no km 88 da BR 262 – no exato lugar onde se encontra o Restaurante e Pousada Peterle – e se estende por mais ou menos 7 km até a Rodovia ES 164. O nome “artístico” é quase auto-explicativo. Mas não custa explicar para quem é de fora. Além de dar acesso à portaria do Parque Estadual da Pedra Azul, em quase toda a extensão da Rota você terá a visão da Pedra e do seu lagarto. A rota mais de perto:

A rota é linda, são 7 km’s de uma vista maravilhosa da pedra e muitos restaurantes e pousadas super charmosos. Me perguntaram se dava pra fazer a rota à pé, bem… eu até vi algumas pessoas com trajes de atividade física fazendo caminhada por lá. Então se você quer fazer a rota com o objetivo de se exercitar, sim dá pra ir à pé. Se o objetivo for um passeio mais turístico eu recomendo carro (ou moto) já que tem bastante morro no trajeto:

As pousadas na rota são em geral mais sofisticadas, luxuosas e oferecem uma estadia mais charmosa, além de ficar bem mais perto de tudo. Por isso, contam com diárias um pouco mais salgadas – em geral ofereceram quartos que conspiram para o clima de romance e ficam em total harmônia com a natureza em volta. Não posso dizer que são pousadas caras, o valor mais alto se justifica no padrão oferecido.

Como nosso objetivo era uma viagem em mais pessoas e contávamos com carro pra ir e vir eu pesquisei muuuuuuito por uma pousada com um preço mais em conta e foi aí que eu encontrei a Pousada Tonoli.

Sobre o clima, fomos em julho e estava congelando. Durante o dia temperatura média de 16º e à noite pegamos até 9°, mas vi que em outros dias chegou até a 1°, vá preparado e com muita roupa de frio.

  • Pousada Tonoli

A pousada fica em Venda Nova do Imigrante, na verdade na zona rural da cidade – cerca de 5km do centro, sendo 3km de estrada de terra e foi um excelente custo x benefício. A diária estava MUITO mais em conta que as outras e quando me mandaram as fotos eu vi que era tudo muito novo e fiz as reservas.

Cada casal ficou num chalé com tudo novinho, cama, roupa de cama, banheiro impecável e televisão. O fato de ficar há uns 20 minutos da entrada da rota foi compensado pelo valor que pagamos. Além disso tinha um café da manhã completinho e com muitas opções. Recomendei a muitos amigos e achei que valeu muito a pena. Quem for no verão pode até aproveitar a piscina enorme que tem lá, nesse frio que estava quando fomos era impensável.

Telefone: (28) 99941-3790 | (28) 99933-5699

Instagram: @pousada_tonoli

Agora que já falei sobre o lugar e dei a dica da hospedagem vou fazer uma espécie de “Diário de Bordo” mostrando os lugares e os passeios que fizemos. Estou tão apaixonada por este lugar que só de selecionar as fotos já quero voltar!

  • Venda Nova do Imigrante

Na sexta-feira fomos eu, Fabrício e meus pais. Chegamos lá já era tarde e decidimos ficar em Venda Nova mesmo, só jantar e descansar. Fomos a um restaurante que não consigo lembrar o nome de jeito nenhum, mas que estava uma delícia comida muito boa e um vinho pra esquentar. Na hora de ir embora compramos mais algumas garrafas de vinho e levamos para a pousada, ficamos até tarde na varanda de pijama, coberta e conversando. Uma delícia de noite!

  • Portal Parque Estadual de Pedra Azul

No sábado acordamos cedinho, e, após um café da manhã delicioso na Pousada Tonoli fomos direto para a Rota do Lagarto, eu estava doida pra conhecer. Saindo de Venda Nova do Imigrante a gente chega na parte final da rota, então decidimos fazer a rota toda sem parar e então começar pelo verdadeiro início.

A rota começa no portal do Parque Estadual de Pedra Azul essa casinha charmosa ai da foto, ao fundo a Pedra Azul, é claro. Na casinha tem uma loja de lembrancinhas, roupas e utensílios domésticos – lá compramos um ímã de geladeira temático e uma caveira pra decorar nossa casa. Tem também uma cafeteria que vende chocolate quente, cafés, pós de café, tachos de cobre e outras coisas.

É o lugar perfeito pra quem quer fazer fotos com a Pedra ao fundo, muitos turistas fazem isso e nós também fizemos, é claro! Só que na nosso focamos mais em nós e menos na paisagem… Não repitam o erro hahaha.

  • Restaurante d’Bem Pedra Azul

Saindo do portal fomos ao restaurante d’Bem Pedra Azul, ele fica dentro do Fjorland que é uma propriedade privada (pagamos R$ 5,00 por pessoa para entrar) e é uma espécie de haras de cavalos da raça Fjord, de origem norueguesa. Por lá você pode fazer uma cavalgada ecológica em animais dessa raça. É um passeio super legal para fazer com crianças e que você pode saber mais à respeito clicando aqui. Como estávamos somente em adultos, o restante da família chegou depois, optamos por ficar apenas no restaurante que era uma delícia, tinha drinks e cervejas artesanais e um cardápio bem bacana. O restaurante tem uma área fechada e uma varada, optamos em ficar na varanda pois a vista de lá é linda!

Instagram: @dbempedraazul

Ainda dentro do Fjorland tem uma cafeteria, saímos do d’Dem Pedra Azul e fomos lá tomar um chocolate quente, não tirei foto, mas estava uma delícia.

  • Cervejaria Azzurra

Nosso próximo destina foi a cervejaria Azzurra, que ficava no final da rota. Aliás no fim da rota há várias lojinhas e restaurantes que valem muito a pena a visita, o lugar é uma gracinha. A Azzurra estava bem cheia e nos avisaram que uma banda iria tocar mais tarde, Fabrício se animou todo e ficamos um bom tempo por lá. Ah, nesse dia não almoçamos – fomos de petisco em petisco e foi ótimo.

Na Azzurra tem uma variedade de cervejas artesanais, pra mim que não bebo cerveja tinha um drink com gin e que estava bem gostoso.

Instagram: @azzurracervejaria

  • Venda da Rota

Em frente à Azzurra fica o restaurante Venda da Rota e lá pelas 3 da tarde meu pai quis almoçar, fomos lá e ele pediu uma feijoada que estava bem completa e, segundo ele, uma delícia. Não tenho foto deste momento, mas vale a indicação. Além de comida lá também estão à venda peças de decoração e louças maravilhosas. Logo em seguida voltamos à pousada para receber minha irmã, cunhado, tia e primo que chegaram pra completar nosso time.

Instagram: @vendadarota

  • Alecrim Cozinha Artesanal

Eu tinha ouvido falar muito bem do restaurante Alecrim, era o lugar que eu mais queria conhecer. Para garantir que teríamos mesa, já que fomos em alta temporada, eu fiz contato via instagram e reservei uma mesa. O restaurante é muito bonito e aconchegante, tem uma área fechada e outra externa. Ficamos na externa e para amenizar o frio havia várias lareiras móveis (não sei se o nome é este mesmo, mas eram aqueles suporte de ferro que têm uma espécie de fogo dentre e aquecem o ambiente próximo), além de muitas mantas dentro de caixas próximas das mesas e dos sofás.

A comida estava realmente deliciosa, valeu muito a pena. O Alecrim é, dentro os lugares que fomos, o local em que a conta ficou mais alta. Acho importante falar isso aqui porque é o tipo de informação que eu busco quando planejo alguma viagem. Já fomos sabendo, então pra nós não houve surpresa e achei que compensou demais porque é realmente um lugar diferenciado, uma comida gostosa e pratos sofisticados. Certamente pretendemos voltar.

Ah, o Alecrim fica no ligeiramente fora da rota. Ali em cima eu contei que pra nós que ficamos hospedados em Venda Nova do Imigrante  chegamos na rota pelo final, né? Para ir para o Alecrim é só continuar na BR, sem entrar na rota e em poucos kms já chegamos. Com o waze tudo fica bem mais fácil.

Instagram: @alecrimcozinhaartesanal

  • Orolatte Queijos Artesanais

Já no domingo acordamos cedo e após o café da manhã delícia saímos com destino à Rota do Lagarto, dessa vez pedimos indicação na pousada e optamos por passar pela estrada de terra ao invés de ir pela BR. Passamos então na queijaria Orolatte – o autêntico queijo italiano nas montanhas capixabas.

Lá encontramos vários tipos de queijos e pudemos experimentar um pouco de cada antes de comprar. É rapidinho e eu acho que vale a passada, os queijos são maravilhosos.

Instagram: @orolatte

  • Cervejaria Altezza

Um pouco mais à frente da queijaria e ainda na estrada de terra chegamos à Cervejaria Altezza. O lugar é demais, no meio do nada e lindo, naquele estilo rústico, mas com charme. De lá avistamos de longe a Pedra Azul e temos um visual incrível. Era pena ser domingo e não podermos ficar tanto tempo, recomendo quem for ir com mais tempo. Pedimos um chips de abóbora que estava divino, ele é temperado com sal e açúcar, fica um sabor mega delícia.

Instagram: @cervejariaaltezza

Depois da Cervejaria Altezza fomos novamente para a rota, afinal uma parte do grupo ainda não tinha ido lá. Novamente fomos até o começo e viemos fazendo todo o caminho.

  • Tre Fiore Café Expresso

Mais ou menos na metade da rota há um ponto bem movimentado com alguns restaurantes, pousadas e cafés. Dei uma paradinha no Tre Fiore e tomei um chazinho de camomila, porque nessa friagem toda eu peguei um resfriado e a gargante reclamou um pouco.

Instagram: @cafeexpresso_trefiore

  • Venda da Rota

Saímos de lá e fomos ao Venda da Rota, o mesmo que meu pai almoçou no sábado. Dessa vez todos almoçamos, estava gelado e pra nossa sorte eles tinham mantas, assim como o Alecrim.

Instagram: @vendadarota

Esse almoço já foi lá pelas três da tarde e depois dele viemos embora pra casa. Foi uma viagem curta de fim de semana, mas serviu pra me deixar louca pra voltar, Fabrício também amou. Se Deus quiser voltaremos em breve e eu faço mais posts com outras dicas.

Nosso time completo:

Espero que tenham gostado e indo a Pedra Azul me marquem nas fotos no instagram, vou amar ver vocês por lá!

 

Comentários

comentários

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *